Skip to content
Anúncios

Vai uma Laurinda?

domingo, 11 janeiro, 2009 @ 10:44 pm

Laurinda e o aprendiz Ronaldo - Foto © Hélio Viana No post Festival Exodrinqs abri espaço para os tripulantes do  MaraCatu Weblog compartilharem suas receitas de drinques exóticos.

Comecei dando a receita de Quizumba do Manolo do veleiro Sabadear, depois Ivan e Egle do Taai-Fung II colaboraram com o Carnaval na Zona e Valeria do Gandaia mandou ver na Bananaloka.

Agora dou de bandeja a receita da famosa, e gostosa, Caipirinha da Laurinda.

Laurinda morava na vila do Abraão, em Ilha Grande, no Rio de Janeiro. Depois de se separar do marido resolveu recomeçar a vida em Santa Cruz de Cabrália, ali pertinho de Porto Seguro no Sul da Bahia. Laurinda, uma mulher batalhadora e de um ótimo astral, deu a volta por cima, construiu uma casa com material de demolição e educou o filho até a universidade vendendo caipirinha no recife de Coroa Vermelha.

Aprendi a formula da caipirinha há bastante tempo e ensinei para alguns apreciadores. Dentre os aprendizes quem se destacou mais foi Ronaldo do veleiro Feitiço, que faz uma Laurinda melhor até do que eu. Foi emocionante ver o encontro do pupilo com a criadora da saborosa receita na escala do Cruzeiro Costa Leste em Santo André, quando tomamos todas no Restaurante Gaivota.

Anota aí:

Corte um limão em quatro partes, no sentido vertical – do talo para a base da fruta -, e retire aquela parte branca que fica no meio, que é o que deixa um leve amargor nas outras caipirinhas.

Coloque os quatro gomos num copo de vidro, com as cascas voltadas para baixo, adicione uma colher de sopa cheia de açúcar e mais um chorinho. O copo tem que ser largo, tipo os de uísque.

Amasse levemente cada gomo com um pau grosso que tenha a base cortada reta. Este detalhe é importante para não amassar demais o limão.

Complete o copo com gelo, que tem que ser duro, recém saído do congelador, e sirva uma dose dupla de cachaça (eu prefiro com vodca, um litro faz dez caipiroscas).

Laurinda com uma laurinda na mão - Foto © Hélio VianaAgora é só misturar o açúcar usando uma colher bailarina, que é aquela chata, sem a parte côncava, própria para misturar drinques.

Laurinda também me ensinou que drinques feitos com vodca não devem ser chacoalhados e que o canudo, que serve também para mexer a caipirinha antes de cada gole para liberar o aroma, deve ser cortado em “bico de gaita”, ou com 45º, para não sugar o açúcar do fundo do copo.

É isso aí. Siga a receita, faça uma degustação e deixe suas impressões nos comentários aí embaixo.

Anúncios
9 Comentários leave one →
  1. egle permalink
    terça-feira, 13 janeiro, 2009 @ 11:24 am 11:24 am

    Olá amigos do MaraCatu

    Não se se voces lembram mas assim que a tripulação do Maracatu aprendeu a fazer a “Laurinda ” no distante ano de 2000, fizemos uma rodada a bordo do Taai Fung II em Salvador , onde se não me engano consumimos 3 garrafas de vodca. A tal da “Laurinda “é boa mesmo. Recomendamos.

    Saudades e um grande beijo

    Egle mais Ivan

    Curtir

  2. Ronaldo Coelho permalink
    terça-feira, 13 janeiro, 2009 @ 5:32 pm 5:32 pm

    Ola queridos amigos do Maracatu

    Helio e Mara!!!

    Fiquei muito orgulhoso, com a foto ao lado da “LAURINDA”…Quem diria que na Prainha …Paraty, onde passamos momentos memoraveis; iria eu, Ronaldo…que ate então so tomava leite com nescau, tornar se uma celebridade etilica no mundo dos velejadores( modestia é o meu forte)sendo revelado pelo Helio…meu grande mentor.
    Agradeço ao Deuses…Baco, Laurinda e Helio.

    Feliz 2009…vamos velejar….e ao chegar tomar uma laurinda.

    Abraços

    Ronaldo

    Curtir

  3. Ivan mais Egle permalink
    quarta-feira, 14 janeiro, 2009 @ 9:36 am 9:36 am

    Olá Hélio, acrescento ao comentário anterior, enviado pela Egle, que, segundo minha (fraca) memória, ainda existe um passo na preparação da bebida que não foi mencionado em sua receita. Acho que se deve eliminar as duas calotas polares do limão antes de recortá-lo. Ao meu ver isso serviria para reduzir a quantidade de sumo da casca (aquele óleo que pega fogo e que ataca a pele se exposta ao sol) e assim diminuir o amargor que ele deixa, principalmente se o limão for esmagado demais.
    Abraços,
    Ivan

    Curtir

  4. quarta-feira, 14 janeiro, 2009 @ 10:04 pm 10:04 pm

    Egle,

    Claro que lembro dessas rodadas de laurindas a bordo do T-F II. Na realidade Mara não se lembra e eu tenho uma vaga lembrança (só 3 garrafas? Acho que foram uns 4 litros…).

    O que me lembro vivamente foram as varias laurindas degustadas na escala de Ilhéus, quando você decidiu seguir por terra para Salvador e Ivan embarcou Tarcísio e Mariana. Tomamos 2 litros de vodca e a noite acabou com quase todo mundo caindo sem querer na piscina do Iate Clube. Aja laurindas!

    Ronaldo,

    Eu mentor? Modéstia às favas, mas você foi mesmo meu melhor aluno.

    Como o papo aqui é de recordações, se lembra d’eu falando para o coronel Wagnão que ele não sabia fazer caipirinha? “Cara, tua caipirinha não presta, amarga que nem jiló. Já tomou uma laurinda?”. Foi aí que tudo começou. Ai que saudade da prainha.

    Ivan,

    Como você é o tripulante que mais comenta no MaraCatu Weblog, eu não vou insinuar que estais senil. Não amigo, a receita é esta mesmo. Não tem o que tirar nem por. Aliás, tem que por muita vodca!

    Bons ventos a todos, sempre!

    Curtir

  5. domingo, 15 fevereiro, 2009 @ 1:15 pm 1:15 pm

    Egle,

    Só falando pessoalmente com você para recordar do fato das Laurindas em Salvador. É isso aí: estávamos nós mais João do Yahgan, Manolo do Sabadear, Roberto do Husto e Zé do Tuareg concentrados para a grande caminhada pelos vales da Chapada Diamantina. Recordar é viver.

    Um cheiro,

    Curtir

  6. laurinda a propia permalink
    quarta-feira, 21 outubro, 2009 @ 5:11 pm 5:11 pm

    oi turma animada, olha k noticia boa……..angra dos reis me chamou de volta, ai a caipirinha esta mais perto dos meus amigos. tÔ chegando agora em outubro, assim k eu chegar vou procuralos p fazer caipirinhas. adorei as fotos em sto andre valeuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu. abraços me aguardem, laurinda k vai ser sempre da ilha grande.

    Curtir

    • quarta-feira, 4 novembro, 2009 @ 1:40 am 1:40 am

      Laurinda,

      Que boa nova. Quer dizer que, em breve, poderemos tomar umas Laurindas autênticas? Oba!

      Por favor, não deixe de nos procurar quando chegar a Ilha Grande.

      Um cheiro,

      Curtir

Trackbacks

  1. Charter Alto Astral « MaraCatu Weblog
  2. A marinização da Camila – o terceiro dia « MaraCatu Weblog

Em que você está pensando? Deixe seu pitaco.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: