Skip to content
Anúncios

Duro na queda

domingo, 23 maio, 2010 @ 2:39 am

Alex Crowell no Clube Naval Charitas

Enquanto saboreia uma fumegante xícara de café, o norte-americano Alex Crowell me conta que aprendeu a velejar com o pai, “eu tinha 11 anos quando ele, oficial da marinha americana, voltou à Califórnia depois da Segunda Grande Guerra”, e lembra uma de suas primeiras aventuras em um barco a vela, quando tinha 17 anos: “o inverno de 1 958 já estava avançado. Navegava próximo às Bermudas. Depois de enfrentar uma forte tempestade por quatro dias, o veleiro de madeira de 47 pés em que eu estava se desintegrou e foi a pique em menos de quinze minutos”. Após oito dias em uma balsa salva-vidas, Alex e o dono do barco foram resgatados por um helicóptero da Marinha Real Holandesa.

Mesmo depois dessa experiência ele não perdeu o gosto de viver no mar, tanto que passou a viver dele. Por um período fez charter nas Ilhas Virgens até poder comprar, em 1976, seu próprio barco, o Faster Horses, um Freya 39 pés (11 m), projeto australiano de Trygve Halvorson, que ganhou a regata Sydney-Hobart de 1 963, 64 e 65.

Seu primeiro cruzeiro durou dois anos. Das Ilhas Virgens, via canal do Panamá, foi até as ilhas do Pacífico Sul e retornou à Califórnia. Daí, seguiu direto para a Flórida. Nesse trecho o Faster Horses marcou um recorde de velocidade jamais quebrado: 120 km/h… sobre um caminhão, é claro.

Novamente nas Ilhas Virgens Americanas, em 1 989, Alex se viu no meio do furacão Hugo, quando teve que enfrentar ventos que chegaram a atingir 150 nós (estonteantes 270 km/h). Três âncoras não foram suficientes para segurar o Faster Horses, que quase foi atirado sobre as pedras em uma enseada na ilha de Culebra. Barco e comandante “quebrados”, para refazer o caixa de bordo ele foi ser oficial de rádio em navios mercantes, até se aposentar.

No natal de 2 000 voltou a navegar. Depois de um cruzeiro pelo Caribe, para vir ao Brasil fez o chamado “Círculo do Atlântico”: foi até Gibraltar e daí seguiu para as Ilhas Canárias, Cabo Verde, Fernando de Noronha e Cabedelo na Paraíba. “Estou encantado com o povo brasileiro e principalmente com os grandes contrastes. É maravilhoso assistir ao Réquiem de Mozart na catedral de Salvador e poucas horas depois ancorar no Paraguaçu, o rio mais bonito que já vi”, Alex e o Faster Horsesdiz Alex.

Nossa conversa rolou na tranquilidade do píer do Clube Naval Charitas, em Niterói, quando Alex preparava o barco para descer até o Uruguai. Ainda lhe fiz a perguntinha básica: quais os planos para o futuro? “Retornar ao Brasil no próximo outono, pois os seis meses que me permitiram ficar é muito pouco para conhecer costa tão rica”.

Este texto foi publicado, de forma resumida, na seção Gira Mundo da edição 185 da Revista Náutica. Mas o que não foi publicado foi a surpresa dos holandeses ao recolher a cestinha com os náufragos: mas como dois homens? O helicóptero pertencia a um porta-aviões em manobra na área. Naquela manhã um avião havia caído ao decolar e as buscas eram para o piloto, que não foi encontrado. Alex é duro na queda, mas é uma cara de sorte. Muita sorte.

Anúncios
No comments yet

Em que você está pensando? Deixe seu pitaco.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: