Skip to content
Anúncios

Paçoca de Pilão em Pirangi

quinta-feira, 29 julho, 2010 @ 12:07 am

Paçoca do Paçoca de Pilão

Continuando a pesquisa para um guia gastronômico de Natal, saímos à cata de uma boa paçoca. Não confundir com a paçoca doce, ou paçoquinha, feita com amendoim. A paçoca, um prato de origem indígena e tradicional no nordeste, é feita triturando carne de sol e misturando com um pouco de farinha de mandioca e cebola roxa.

Apesar de popular, é difícil encontrar um restaurante que faça paçoca à moda antiga, quer dizer, socada no pilão. Foi ai que Nelson e Lucia, do veleiro Avoante, nos levaram à praia de Pirangi do Norte, que fica no litoral Sul, para experimentar uma paçoca pilada, não por acaso no tradicional restaurante… Paçoca de Pilão.

Há 20 anos, a sua proprietária Adalva Dias Rodrigues cuida pessoalmente do restaurante e ainda guarda o primeiro pilão de madeira onde começou fazendo o principal prato da casa. “O pilão tem que ser de madeira, que impede o ressecamento da carne; a verdadeira paçoca tem que ser molhadinha”, ensina Dona Adalva.

Sentamos debaixo de um frondoso cajueiro e degustamos o acepipe, que vem acompanhado de macaxeira cozida, feijão-verde, arroz de leite e banana. Levemente regado com manteiga de garrafa. Pena que ainda não exista sabor na internet.

Pra arrematar escolhemos cartola, não o sambista, mas a sobremesa. Esta até eu sei fazer, tem  preparo facílimo, grande sabor e muitas calorias. Anota aí a receita:

Ingredientes:
– uma banana prata cortada ao meio no sentido do comprimento
– uma fatia grossa de queijo manteiga, ou queijo do sertão (na Bahia chamam de requeijão)
Cartola, a tradicional sobremesa nordestina– um tiquinho de manteiga
– um punhado de açúcar refinado
– umas pitadas de canela em pó

Modo de fazer:
– Frite separadamente a banana e o queijo, até dourar (só use a manteiga para a banana)
– Arrume a banana em um prato e sobre ela derrame o queijo ainda quente
– Polvilhe com a canela misturada ao açúcar e sirva imediatamente
– Coma com moderação

Sempre soube que a sobremesa foi criada em Picuí, a terra da carne de sol na região do Seridó Paraibano. Mas o Projeto de Lei Ordinária Nº 948/2009, em seu Art. 1º, propõe que a sobremesa cartola passa a ser considerado patrimônio cultural e imaterial do Estado de Pernambuco. E revogam-se as disposições em contrário.

Anúncios
13 Comentários leave one →
  1. Passoca permalink
    quinta-feira, 29 julho, 2010 @ 12:24 pm 12:24 pm

    Se a paçoca já é uma delícia, imagine a gostosura que é o Passoca, com dois “ss”. Pelo menos a patroa diz que é, e o pior é que eu acredito.

    Um grande abraço e que os ventos continuem soprando muito forte, pois só assim vcs demoram um pouco mais na nossa terrinha.

    Carlos Alberto Passos, vulgo Passoca.

    Curtir

    • sexta-feira, 11 março, 2011 @ 1:05 am 1:05 am

      Passoca,

      Como você acompanhou aqui, a viagem foi muito tranquila.
      Não vejo a hora de voltar à Natal, pras festas do Iate Clube.
      Bons ventos sempre,

      Curtir

  2. quinta-feira, 29 julho, 2010 @ 3:45 pm 3:45 pm

    Rrrruuuooorrr… Isso foi minha barriga roncando… Mas modéstia a parte minha senhora faz uma cartola que é show viu? Quando vier por Recife avisa que levo vocês para provar 😉

    Curtir

    • sexta-feira, 11 março, 2011 @ 1:07 am 1:07 am

      Marcelo,

      Antes de ir au aviso. Não perco esta cartola por nada nesse mundo.
      Bons ventos sempre,

      Curtir

  3. hugo vidal permalink
    quinta-feira, 29 julho, 2010 @ 4:00 pm 4:00 pm

    Prefiro o Vatapa com Caruru,, rsrsrrsrsrssr

    Acho que o ferrara vai começar a pagar IPTU rsrsrsrs

    abraços

    Hugo e Catarina

    Curtir

    • sexta-feira, 11 março, 2011 @ 1:09 am 1:09 am

      Hugo e Catarina,

      Um dos vatapás que ganhamos de presente foi consumido enquanto esperávamos as peças do Ferrara. A turma adorou.

      Bons ventos sempre,

      Curtir

  4. sábado, 31 julho, 2010 @ 9:53 am 9:53 am

    Olá Hélio,

    Não tem paladar, mas que dá água na boca com as fotos e sua descrição, isso dá…
    Gosto de experimentar as comidas de cada lugar e quando chegar em Natal (lá para depois da Refeno) vou ver se experimento a paçoca de pilão.

    Abraços e bons ventos,

    Beltrão.

    Curtir

    • sexta-feira, 11 março, 2011 @ 1:12 am 1:12 am

      Beltrão,

      Experimente não só a paçoca, mas também o chambaril do Cobra Choca, a língua do restaurante Ku e o caviar nordestino: caldinho de ova de curimatã. Hummm.
      Você não vai se arrepender.
      Bons ventos, sempre.

      Curtir

  5. Anamaria Rossi permalink
    segunda-feira, 2 agosto, 2010 @ 7:55 am 7:55 am

    Hélio, sou fã do seu blog. Com receitas, então, fica mais saboroso!
    Abração.

    Curtir

    • sexta-feira, 11 março, 2011 @ 1:18 am 1:18 am

      Anamaria,

      Veja como sou relapso. Já fui, já voltei, conheci você (que já está de blog novo) e só agora estou respondendo os comentários.
      Sou seu fã e fiquei curioso com o raviolis rellenos de codorniz con tomate y gambas, temperado com estragão. Nossa!
      Depois eu conto pra todos nosso encontro lá na Boqueria. Adorei.
      Besos,

      Curtir

Trackbacks

  1. Onde está Wally? « MaraCatu Weblog
  2. Pirenópolis – o segundo dia « MaraCatu Weblog
  3. Direto do túnel do tempo « MaraCatu blog

Em que você está pensando? Deixe seu pitaco.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: