Pular para o conteúdo

Atlântico 2010 – Cidade do Mindelo

sexta-feira, 5 novembro, 2010 @ 2:51 am

Cidade do Mindelo em Cabo Verde

Em nossa terceira estada na cidade do Mindelo, doutra vez fizemos também um pit stop com o catamarã Galileu, ancoramos o Ferrara na tranquila Baía do Porto Grande no fim da tarde de 15 de agosto.

Cabo Verde tem uma musica linda, você já escutou a “diva dos pés descalços” Cesária Évora? A dança não fica atrás, a coladeira parece com a nossa lambada e tem também o kuduro. Ah, e o povo…. é meio abrasileirado. Tenho um amigo que diz que os mindelenses parecem filhos de Martinho da Vila. Muitos vêm fazer faculdade no Brasil, depois li não sei aonde que a maior parte emigra. O estudo “Livro Branco” revela que 67% dos licenciados estão no estrangeiro.

Ainda lembro do gosto da lagosta que comemos com a tripulação da Valtur Bahia no restaurante Pica Pau. O proprietário Sr. Lima recebe muito bem no pequeno espaço que tem as paredes entupidas de pedacinhos de papel com testemunhos dos visitantes. Quase sempre se encontra uma mensagem de algum velejador conhecido.

Pont D´água visto da Marina Mindelo

O prato mais comum em Mindelo, como no resto de Cabo Verde, é o bife de atum. Dessa vez experimentei uma corvina na chapa no restaurante do Pont D`Água, o novo complexo turístico de lazer. Um empreendimento com capital cabo-verdiano-belga, que conta com bares, spa, agência de viagens, lojas, um banco e até uma piscina, tudo debruçado nas águas da baía. Enquanto esperava o almoço, o serviço é lento pra chuchu, saí feito um louco clicando para todos os lados para conseguir as fotos que ilustram este post.

João Gaúcho no Pont D´água Clube Náutico

Ficamos menos de 24 horas em Mindelo, mi capitán Jordi achou uma janela de calmaria e saímos voando para Las Palmas nas Canarias. Como canta Cesária, “não sou eu quem me navega, quem me navega é o mar”. Não deu para bater ponto no Café Lisboa nem comer uma cachupa, espécie de feijoada local, só que leva milho e legumes.

Café Lisboa em MindeloNos ouvidos e na boca ficou o gostinho de conhecer o Festival Internacional de Música da Baía das Gatas, que acontece anualmente no  fim de semana de lua cheia de agosto. Em sua 26ª edição tinha o grupo de axé Calcinha Preta como uma das atrações principais. Tem razão o vovô Mick Jagger, dos Stones: You can’t always get what you want.

Clique aqui para os outros relatos de nossa travessia do Atlântico.

No comments yet

Em que você está pensando? Deixe seu pitaco.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: